Publicado por: Malhado | 11-01-2013

4º dia druídico – O Fogo

Entendo o fogo como ser vivo, que cumpre seu papel no ciclo da vida enquanto nasce, cresce, reproduz-se e morre, mas reconheço-o de forma diferente do que costumamos compreender como vida animal ou vegetal. Para mim, sua existência encontra-se entre o que é feérico e o mineral, e seus mistérios nos convidam a compreender o que está além do que mostra nossos olhos. Capaz de limpar, iluminar e purificar, é também capaz de destruir, e negligenciá-lo nunca é uma boa ideia. Ele exige respeito e sabe como nos ensinar a lição quando nos esquecemos de fazê-lo.

Visto pelos celtas como a contraparte do Sol na Terra, era especialmente venerado no ano novo, Samônios, e no Festival de Verão, a que também chamavam “Meio de Verão”, uma vez que entendiam que a progressão das estações acontecia antes do que hoje aprendemos, o que explicarei em breve em outro texto. Vários Deuses manifestam-se através de uma ou mais de suas facetas. Quando cozinhamos ou acendemos uma lareira em nossos lares Brigit se faz presente através do calor reconfortante e da arte culinária que nutre a família, e quando um ferreiro molda uma peça numa forja Lugh está ali, tornando o metal macio para que possa ser moldado. São diversas as interações desse ser feérico com Deuses e heróis, e ele está acessível a todos nós.

Sua luminosidade amplia nossos horizontes, e a claridade é uma metáfora recorrente quando falamos em inteligência, sabedoria, possibilidades e criatividade, e junto com o calor é outra evidência clara de sua presença, ambos fatores essenciais à sustentação da vida. O calor é, inclusive, a propriedade ígnea mais discutida devido ao aquecimento global atribuído em parte e por muitos ao uso desenfreado do fogo em usinas termelétricas, nos motores a combustão e nas queimadas que destroem a vegetação, especialmente em áreas que deveriam ser de proteção como a Amazônia ou em biomas praticamente desprotegidos pela legislação como o Cerrado.

A paixão é a metáfora que remete a ele mais utilizada pela humanidade. O calor que queima e a luz que cega quando perdemos nosso foco, ela traz em si as maiores possibilidades de realização e a mais dura lição. Ela nos permite realizar sonhos quando todos nos diziam não valer a pena e nos leva a conhecer a pessoa que depois aprenderemos a amar, mas quando seu fogo deixa de ser o combustível que impulsiona e luz que nos permite detectar os obstáculos do caminho e torna-se numa combustão desenfreada de sentimentos o fogo destrói tudo o que toca ao invés de se transformar na sua mais sublime faceta: a Inspiração.

Anúncios

Responses

  1. No Yoga, saudamos o sol ao amanhecer, é quando surge no horizonte, a energia que representa a força da vida na terra e no mar. O que dá vida e dinamismo, o equilibrio dos reinos, o que nos traz o alimento e a esperança de cada amanhecer. Os antigos tinham razão, é ele que manda =)
    =D
    Bjssss


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: