Druidismo

É comum pessoas virem a até mim com a seguinte pergunta: “se o conhecimento dos antigos Druidas se perdeu, então como é possível adotar o Druidismo como religião”?

Geralmente, essa informação de que o conhecimento dos Druidas está perdido é encontrada em livros que já foram publicados há muitos anos ou estão na contramão os avanços científicos modernos, e é sempre preciso lembrar que uma obra tem data de publicação e retrata no máximo a realidade até a época em que foi escrita, isso sem contar as influências sociais, filosóficas e religiosas do autor. Muito tem sido encontrado por arqueólogos e historiadores acerca dos povos celtas, e muitos livros tornaram-se obsoletos ou foram simplesmente desmentidos, enquanto outros vão se tornando “datados” com o passar dos anos. Afinal, tudo está sujeito à mudança, e a ciência tem encontrado cada vez mais informações sobre os celtas, sua cultura e a liturgia de sua fé, mas há ainda muita informação que precisa ser preenchida por quem queira vivenciar o Druidismo e cultuar seus Deuses.

Temos hoje elementos históricos e arqueológicos mais que suficientes para saber como era o Druidismo vivenciado nos tempos antigos, e sabemos como podemos fazer para adaptá-lo à realidade que hoje vivemos, isso sem nem perder sua autenticidade nem parecermos teatrais ou deixarmos de ser fiéis aos seus antigos valores neste processo. Muito desse entendimento sobrevive nas histórias e lendas dos celtas, enquanto outra parte é extraída da terra a cada pesquisa e a cada achado histórico. É com base nesses estudos que você poderá descobrir o que ele realmente é.

O Druidismo é a religião dos povos celtas. Todos eles. E embora existissem pequenas diferenças no culto de região para região, sua essência sempre foi a mesma. Sua estrutura é politeísta, cultuando exclusivamente os Deuses celtas, cuja influência e abrangência entre as tribos era diversificada, não formando um panteão unificado. Dos Deuses, muitos sequer tiveram Seus nomes ou imagens preservados, com é o caso Daquela que hoje chamamos Deusa Lua, e que na época tinha nome próprio e culto definidos como todas as demais divindades. Outros ainda permanecem em silêncio, olhando por nós sem que nos lembremos Deles.

Sua vivência é simples e tem suas facetas pessoais, familiares e comunitárias. Apenas alguns mais experientes seguem os caminhos sacerdotais a fim de servir suas comunidades, mas os ofícios sacerdotais são apenas uma pequena parte das formas de honrar e cultuar os Deuses, e apesar do possível “status” que uma veste druídica possa lhe parecer dar, desde já desaconselho a quem esteja estudando o Druidismo a tentar enveredar-se por esse caminho nos primeiros anos, pois não há como quem não conhece o caminho guiar outros através dele.

Este espaço pretende proporcionar material adequado para o culto no lar e orientar sobre fontes confiáveis para estudos, a fim de propiciar tanto a quem deseje informar-se melhor sobre os celtas quanto a quem deseje seguir o Druidismo como religião a possibilidade de fazê-lo com base em informações de qualidade, que são muito escassas quando analisamos a realidade brasileira, onde as pessoas tendem a buscar respostas sem pesquisar as fontes das informações que recebem, preferindo o acesso fácil a um “conhecimento” mastigado e a respeito do qual não seja necessário refletir, bem como se deixarem limitar ou iludir pelos próprios medos, desejos, ambições e, principalmente, pelo próprio ego.

Você é o foco deste espaço, e faremos o possível para que receba informação séria e de qualidade, da forma mais simples e acessível que possamos explicá-la. Na medida do possível, e à medida em que pessoas sérias tanto no meio religioso quanto no meio científico disponibilizarem seus textos e trabalhos, traremos novas informações para aqueles que estejam dispostos a procurá-la de forma consciente e crítica, orientados pela necessidade pessoal de aprofundamento.

No fim, voltamos à pergunta: então, como podemos chamar o Druidismo de religião? A resposta vem com a vivência, e a vivência só é possível quando dispomos de informações suficientes para compreender o que essa religião seja. O Objetivo deste espaço é disponibilizar essa informação e óbvio, para nós, a resposta é sim.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: