Rito de Apresentação Pessoal

Existem muitos caminhos possíveis, e o de algumas pessoas acaba adentrando um bosque denso, de folhagens antigas e árvores seculares que desemboca de repente numa clareira onde os Deuses celtas e toda a cultura e valores daquele povo pulsam com uma força que já não podemos mais ignorar. Nesse momento, descobrimo-nos druidistas e enquanto algumas pessoas experimentam o êxtase de estarem em casa, outras vivenciam um sentimento misto de completude e absoluto vazio, pois não sabem viver noutra realidade que não a que tinham como certeza, e não sabem o que fazer a partir de agora.

Às vezes, e na verdade na maioria das vezes, é preciso passar por um processo de transição, onde sejamos levados, seja por alguém ou mesmo por alguma divindade amiga que nos acompanhou até esse momento, rumo à nossa nova fase. Sentimo-nos como uma criança em seu primeiro dia de escola, e o medo do desconhecido nos congela a alma e faz arrepiar a coluna pelos motivos os mais variados, mas a chegada ao Druidismo deve ser como aquela sensação que falei de se chegar num lugar e saber que a sua alma sempre pertenceu àquele cantinho, e não um evento que nos cause desconforto. Esse período é de suma importância, pois ele vai nos fazer compreender o sentido da ancestralidade, uma vez ela trata de tudo aquilo que veio antes, inclusive o que acaba de se tornar passado, e o conceito de teia, pois o que existia antes não deixará de existir por causa dos passos que demos até agora, e continua ligado a nós de certo modo, pois está conectado a tudo.

Eu já estava pensando há algum tempo nas pessoas que faziam seus rituais antes de se descobrirem no caminho dos Deuses celtas, mas foi graças a perguntas que recebi de pessoas que vêm ao site que resolvi compartilhar um modelo de rito leigo que criei simples, que pode ser realizado na tranquilidade do seu lar, e que serve como um excelente rito de passagem para essa nova fase que a sua vida está adentrando.

Antes do Rito

Antes de fazer um rito para apresentar-se como druidista é importante entender o que seja o Druidismo e como funciona a sua vivência.

Alguns Textos Aconselhados

Antes de montar o seu altar externo, é hora de cuidar do seu templo interior e preparar-se para celebrar sua chegada a… a que, mesmo? Afinal, não se deve erguer altares para o que não se conhece, e por conhecer não falo ler por alto, então lá vem um pouco de estudo para que você adentre esse caminho com o coração aberto, os olhos atentos e o senso crítico mais apurado. Informação é sempre a chave, ainda mais quando pretendemos nos comprometer com um caminho.

Preparando um Altar

Uma vez que você tenta entendido o que é o Druidismo, é necessário montar o seu altar e saber como lidar minimamente com ele. Já falei algumas vezes sobre altares aqui e está tudo bem explicado. Para construir e compreender o que é e como ele funciona seu altar druídico, aconselho a leitura de toda a seção de altares do site, mas especialmente dos seguintes textos:

Preparação Para o Rito

Rituais requerem um estado de espírito de serenidade e segurança, bem como uma mente focada nas energias que ele trará para o seu momento. Desta forma o processo contribuirá para que o rito seja significativo e ajude na sua conexão com os Deuses e com esse novo caminho que te levará a Eles. Aqui vão algumas formas de ajudar-lhe a atingir esse estado.

Fundo Musical

Colocar uma música de fundo, tranquila, ajuda a ambientar nossa mente. Ela precisa ser tranquila para apaziguar nosso espírito e precisamos lembrar que seu objetivo não é dar um “show celta” para os seus vizinhos, até porque quanto mais seus ouvidos estiverem alertas durante a sua caminhada, melhor, e especialmente durante momentos sagrados.

Você pode escolher um dos momentos a partir de agora para colocar sua seleção musical para tocar.

Limpe o Ambiente

Você está prestes a receber convidados muito importantes, e essa é uma dica para toda a vida: antes de qualquer ritual, cuide da limpeza física e espiritual do ambiente. A parte física é fácil, chama-se faxina e arrumação, e para fazer a limpeza espiritual basta caminhar com um incenso que tenha essa finalidade pelo ambiente. Entretanto, depois da faxina e antes de cuidar do ambiente espiritual você precisa limpar seu corpo.

Preparando um Banho de Ervas

Cuidar da limpeza e embelezar-se para um rito nos ensina que assim como os convidados são importantes, somos muito importantes também, e cabe a cada um de nós cuidar bem do corpo e do espírito. Escolhi o banho como processo de limpeza porque é um momento íntimo, e para apresentar-se aos Deuses é importantíssimo esse contato mais forte consigo mesmo.

Para ajudar nisso, pedi a Cecília Gealaí que sugerisse um banho de ervas extremamente simples para prover limpeza, tranquilidade e proteção. A preparação em si é tão importante quanto o ato de banhar-se, então prepare-o com muito carinho.

Ingredientes:

  • Água morna;
  • Um punhado generoso de sal-grosso, de preferência sal marinho;
  • Um punhado de camomila fresca ou desidratada, que você pode encontrar em farmácias de manipulação e feiras populares. Uma dica que a Cecília dá para quem não as encontre de outra forma é de “colher” ervas para rituais de saquinhos de chá;
  • Um punhado de manjericão, fresco se possível;

Modo de usar:

Misture todos os ingredientes gentilmente numa vasilha até que o sal dilua por completo. Tome seu banho normalmente e, depois, molhe o corpo todo do pescoço para baixo (não molhe a cabeça) até que o líquido acabe, enxugando-se em seguida. Não enxague.

Escolhendo a sua Roupa

Use roupas simples e leves, de tom claro. Cores que combinem com o ambiente e a estação em que você esteja no momento são importantes para ajudar na sua conexão com o solo imediatamente abaixo de você e a vegetação à sua volta, de acordo como se apresentem no momento do ritual, e essa interação é de extrema importância para a prática, uma vez que mantemos e vigiamos, especialmente, o solo que nos sustenta e nutre.

Evite qualquer tipo de pompa ao máximo. Fuja mesmo dela. O Druidismo é uma religião do cotidiano e não é dado a grandes eventos e a teatralidades. Não é necessária nenhuma roupa especial e muito menos algo que você não usaria para ir, no máximo, ao cinema. Também não se vista com desleixo, pois você estará recebendo os Deuses na sua casa e na sua vida, pelo menos oficialmente, uma vez que Eles já estão aí ao seu lado há pelo menos algum tempo.

O Ritual

Novamente reforço a importância de você ter lido e compreendido o texto em que falo de Etiqueta para celebrações. Aliás, essa é uma página do site que está em constante evolução e vale a pena passar por lá de vez em quando para ver se há dicas novas. No momento peço que dê especial atenção para uma dica que deixei lá: pense simples.

Isso porque vou lhe dar as linhas gerais do rito, mas você terá que preparar uma parte dele. São as suas palavras, e não as minhas, que devem marcar sua chegada ao caminho dos Deuses, e essa é uma responsabilidade que não lhe pode ser tirada ou cerceada. São os seus passos que ficarão marcados no chão, então é a sua voz a que deve ser escutada, e não um reflexo da minha. No fim você verá que esse processo é muito tranquilo.

Considerações iniciais

Caso esse ritual seja realizado por mais de uma pessoa ao mesmo tempo, que o seja apenas por aqueles que vão efetivamente cuidar do altar, como um casal que more junto, e seus filhos.

O rito começa com você de frente para o seu altar, e além dele você precisará de uma vela e, se quiser, um incenso ou aromatizador.

Convidando os participantes

Comece a fazer os convites sem citar nenhum nome em específico. Convide primeiro os Deuses, em seguida aos seus antepassados, que são tanto de os carne e osso como dos que se esforçaram para que o conhecimento druídico chegue até você. Caso você tenha contato prévio com as fadas, pode chamá-las também, ainda sem citar nome de nenhuma em específico, e termine convidando os espíritos amigos e guardiães que moram em volta de você. Peça a todos, do seu jeito, que compartilharem desse momento da sua vida e façam parte dela. Peça também a sua proteção para esse momento e para a sua jornada a partir de agora.

Comprometendo-se

Antes do rito crie um texto simples mas não muito curto, onde você se comprometa a conhecer e seguir os preceitos druídicos. Repita esse comprometimento enquanto toca cada peça do seu altar. Primeiro seus objetos pessoais, em seguida o que represente sua família, os antepassados, a natureza e por fim os Deuses. Toque todas as peças de cada grupo a cada vez que recitar seu texto.

Nesse ponto, cabe discutir uma questão importante: e se você vem de uma corrente pagã e tem algum dos seus antigos Deuses no seu altar? Bom, nesse caso essa divindade está representando o seu caminho anterior, e como o Druidismo não cultua nenhuma divindade não-celta, se você decidiu ter uma representação dessas no seu altar, ela está entre seus objetos pessoais, e não junto aos Deuses, pois não será mais seu Deus ou Deusa de culto. Em tempo, inclusive, remova essa representação do altar pois esse conflito de energias só tem sentido e é aceitável durante a sua fase de transição. Em tempo, Deuses que se manifestam de formas semelhantes se apresentarão em sua vida e essa divindade-amiga que sempre estará em seu coração poderá voltar a cuidar do seu povo. Claro, você pode ter essa peça num outro local da sua casa para lembrar essa conexão e agradecer, mas não num altar.

Selando o compromisso com luz

Agora, para selar seu compromisso utilizaremos a luz com a qual os Deuses iluminarão o seu caminho. Acenda apenas uma vela branca (nova) em seu altar e, se tiver optado por usar, seu incenso ou aromatizador. Novamente peço que prepare um texto para esse momento, pedindo aos presentes por inspiração, proteção e discernimento em sua caminhada. Caso estejam mais de uma pessoa no rito, acendam juntos a vela.

Despedindo-se

É hora de despedir-se dos convidados. Despeça-se na ordem inversa que usou para convidá-los. Os Deuses, que foram os primeiros a receber o convite, devem ser os últimos de quem se deve despedir, por exemplo. A cada despedida, há duas formas de se despedir:

  • Peça que os convidados que sejam sempre bem-vindos em seu lar, como os Deuses, espíritos amigos ou o povo feérico, caso algum deles habite sua casa, estejam sempre contigo;
  • Deseje aos que seguirão seu caminho (como os antepassados, por exemplo) que sigam em paz e que uma parte das energias do rito sirva para iluminar e abençoar seus caminhos.

Não apague a vela

Assim seu rito de apresentação termina e sua nova jornada começa. Mas há uma fase a mais que é preciso cumprir depois das “formalidades”, que é o que fazer depois do ritual. Esse, como muitas celebrações druídicas, tem coisas a serem feitas, e é necessário aprender a lidar com esse tipo de dinâmica.

Depois do Rito

Muitas pessoas se esquecem dessa parte, e ao final do rito seguem suas rotinas da mesma forma de alguém que termina de ver um filme. E embora para muitos isso pareça óbvio, o mundo nos deixa cada vez mais destreinados para lidar com as energias que ficam após uma celebração. Então é importante aprender, refletir e recordar isso sempre.

Atividade pós-ritual

Por pelo menos uma hora ou durante o tempo que dure a sua vela (aproximadamente 3 horas), dedique-se a uma atividade tranquila, mantendo sempre a sua vela no seu campo de visão para que possa observá-la de vez em quando e até para saber se seu altar não está em chamas, de repente. Você pode ler (algo que não conflite com o rito, claro) estudar sobre Druidismo ou celtas, meditar, fazer algum trabalho manual, desenhar ou qualquer atividade introspectiva. O importante é não sair da energia do ritual pois, durante esse período, as energias dos Deuses vão trabalhar para te receber e trazer a inspiração, a proteção e o discernimento que foi pedido.

Caso tenha sido um casal ou algumas pessoas a fazer esse rito, façam alguma das atividades sugeridas acima juntos, sempre mantendo a energia do rito presente. Não adicionem nenhuma energia que não a do ritual nessas atividades e mantenham nelas uma postura de tranquilidade, contemplação e leveza. Por fim, e uma vez terminada essa fase do pós ritual, aí podem fazer a festa!

Que os Deuses
abençoem sua jornada!

Anúncios

Responses

  1. Muito inspirador, caro amigo.
    É importante desmistificarmos a afirmação de que é preciso ser um bardo, ovate ou druida para vivenciar a espiritualidade céltica em uma linha druídica.
    Este seu texto vem para isso, mostrando que o culto doméstico é o primeiro passo para quem deseja compartilhar de nossa Fé.

  2. Simples mais eficiente!! Já te contei que os textos que mais gosto são sobre altar? heheh Grata pelas suas sábias palavras!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: